Curiosidades

Pé torto congênito - O que é?

O que é?

  O termo pé torto congênito é usado quando uma criança nasce com um ou os dois pés virados para dentro.

Tratamento

Nos dias atuais, podemos realizar o tratamento com a técnica de Ponseti, que envolve manipulação dos pés, seguida de uma técnica específica de aplicação de um monde de gesso, e no final uma possível tenotomia (corte do tendão) do tendão de Aquiles de forma percutânea. com o tratamento adequado, o pé pode ter formato e função normal. Entretanto, é comum observar a perna mais fina e o pé menor nos casos unilaterais, devido à doença.

1° Fase do tratamento: correção da deformidade 

Na primeira fase, o médico corrige gradativamente o pé com as trocas gessadas. O gesso deve permanecer por 7 dias até a sua troca, e isso vai se repetindo semanalmente até o final da correção que em geral, após 5 – 8 trocas gessadas o pé ficará em boa posição.

2° Fase do tratamento: Tenotomia do tendão de Aquiles

Na maioria das vezes, após o tratamento com as trocas gessadas, será necessário fazer um corte no tendão de Aquiles, ou seja, uma tenotomia, que será realizada com anestesia geral e no centro cirúrgico para o melhor conforto para o paciente. No final do procedimento, será necessário a confecção do ultimo gesso que ficará por 3 semanas seguidas.

3°  Fase do tratamento: Manutenção da correção

A terceira fase do tratamento é bastante importante, delicada e dependente dos pais. Nesta fase, deve ser usado uma aparelho (órtese de duplas abdução) que mantém os pés para rodado para fora e evita que a deformidade volte. Para a deformidade não voltar, este aparelho deverá ser usado 23 horas por dia durante 3 meses e, depois disso, 14-16 horas por dia (durante o sono), até os 4 anos de idade.

 

 

 

 

 

 

Acesse também: Pé Torto Congênito – Cuidados com o gesso

Pé Torto Congênito – Orientações sobre a órtese

 

 

Agende uma consulta com
o Dr. Medre Henrique